::::ginger lake::::

Ginger Lake: bleeding water (Antarctica)
Ginger Lake: bleeding water (Antarctica)

Underneath the velvet cape
I dove into the black side of me
The loud whisper concealed in flashes
The eyes shut but eager to see

I uncovered the veins, and exposed the scars
I expected a sign of madness
I dreaded the grey cries and disapproving sounds
The public crowd of controlled suppress

But there lay the life awaiting
There struggled the songs without melody
The fall was deep and the voices vanish
Between all the dark faces, an elegy

The requiem for my former soul
The summing of a life I no longer feel
Ever sure that I needed to bleed
For the wounds I carried to heal

Advertisements

RUN

escapeI came once
I ran twice
I left behind the will to escape

The cold unyielding winds of a yester north
The dark shadows of endless years

But the will crawls back
In a silent sway
In a gentle cry
Once, twice, countlessly more

Adventures from a titanium rod

Texel, Holanda
Texel, Holanda

Sprouted amidst the beast of night
Contrasting veins of colour and light
Round came the beacon of entrusted wrath
Dead is the dream the mind once hath

Surgically removed from puzzles of notion
One laughs at the caustic stake
Bought as bargain, on silver platter sewn
Again we are thrust into the unknown

None can escape the isle of self
The heedless waves pounding as drum
The silent spectrum of everlasting dusk
Unbridled by the truth of the day to come

Coluna vertebral

“eu quero ser um vaso novo”

Tenho constatado o bom que é ir abandonando as peles mortas e secas do passado, para dar lugar à nova pele que nos envolve. Mais fina, mais transparente, e (esperamos) a cada passo mais próxima de nos devolver ao que somos.

Como as cebolas (ou o Shrek*) que têm camadas contundentes e que é preciso descascar, ou como um bom livro, em que o fim justifica a jornada de leitura, somos também mais verdadeiros por dentro e tanto quanto o viremos do avesso. Para que apanhe sol e nunca volte a querer estar escondido.

Para caminhar no sentido interior, às vezes é preciso escavar cenas antigas, e fechadas sem aplauso do público. Sentimos necessidade de buscar partes de nós que já não gravitam aos pés do dia-a-dia.

Procuramos, porque queremos ter a certeza que essas partes já não existem, já não vivem em nós. Voltamos a trazê-las à superfície, tentamos reviver os sentimentos – agora, com outra frieza e calma. Reparamos em toques não antes notados, apenas para poder voltar a arrumar, um pouco mais “despidas” do que antes.

Até que chega o momento em que o derradeiro arrumo, é a pele velha que cai no chão e se mistura com o ciclo natural da vida.

Sem que demos por isso, o velho de nós deu lugar a barro por esculpir!

*”Layers. Onions have layers. Ogres have layers. Onions have layers. You get it? We both have layers.”, Shrek (2001)

Memórias

A força da contenção

Guardei, em caixas de vidro

Para saber crescer

Para ver antes de querer

Para pisar rocha firme

Guardei-me, de tampa bem fechada

Circunscrita no espaço

Perdida no tempo

De olhos postos na fragilidade

Guardei, num mergulho sem fundo

E vi que há mais medos

Que águas, mais dúvidas

Que seguranças, mais dentro

Que os olhos, sozinhos, não alcançam

Guardei, lavado de manchas

A arca de mim

E ainda que reservada com carimbo

O que guardei, não é meu

Nem sou eu

Cortar as Fitas

Hoje inaugura-se uma nova sala no meu coração. Ainda não sei por completo o tamanho da sala, as cores com que será pintada, quem nela entrará para dar uma vista de olhos, quem entrará para se sentar e quem o fará para ficar.

Desde há algum tempo, sinto a minha casa inteira fechada para obras, remodelações despejadas em simultâneo e invadidas de sede de novo. Ainda que à porta aberta, o período de renovação cresceu muito mais no sentido interior que exterior. Mais escondida do constante reflexo onde me projecto, projectei outros sonhos e desejos há muito guardados em lugares distantes dos pés que palmilham o dia-a-dia.

Cortei as fitas, mas as obras estão longe de acabar. Mas já consigo, com mais genuinidade, abrir a casa a visitantes, abrir a janela de quem sou na certeza de que ainda há muito por ser.

Heróis com tamanho real

Para ir e vir do lugar onde passo grande parte do meu dia, a faculdade (Universitat Autònoma de Barcelona), confio unicamente no ferrocarril. O ferrocarril é algo a que nós chamaríamos comboio, que mistura as características de um metro urbano e um comboio suburbano. Leva os seus passageiros desde o centro da cidade.

Pelos diversos locais por onde passo diariamente, há muito a acontecer, muito para ver. Uma paisagem de pré-montanha acompanha e aconchega o olhar, e nos dias de sol e boa visibilidade acordam os meus sentidos com uma beleza invulgar. Cada paragem tem a sua história. A pouco e pouco, vou conhecendo o que se passa, vou-me apercebendo dos diferentes mundos dentro deste rota que já é minha, rotineira e singular.

Um dos momentos que mais me encanta é quando o meu regresso a casa coincide com o regresso dos alunos dos vários colégios que moram ao longo da linha que percorro. As meninas entram numa paragem; os rapazes, invariavelmente mais barulhentos e movimentados, entram um pouco depois. Com as suas fardas desfraldadas e cansadas, como eles, do dia cheio de aulas, actividades e dinâmicas “sociais”, as crianças vão desde os 5 aos 15 anos. Apresentam-me, numa viagem de cerca de meia hora, uma curta metragem do que é crescer e todas as suas problemáticas. Senti-me imersa num filme do Harry Potter, em que dou asas à imaginação através de uma realidade tão simples da vida: a infância.

Falam-se de coisas diferentes do que eu falava, sabem-se coisas bem diferentes do que eu conhecia. Os iPods são vulgares, os brinquedos são sofisticados, mas os sentimentos destes pequenos “eus” (pequenos só em tamanho) trespassam toda a humanidade. E, com eles, a simplicidade do olhar, das palavras usadas, dos jogos e concursos improvisados para passar o tempo.

Esta companhia refresca-me a alma e ajuda-me a lembrar que tenho muito a aprender com um coração de criança.

In dreams, we enter a world that’s entirely our own.” J.K. Rowling